segunda-feira, 6 de junho de 2011

Massacre de Cristãos na Costa do Marfim


Taí algo que sempre nos choca: A violência causada pela intolerância religiosa. Apesar de não constar na lista dos 50 países mais intolerantes ao Cristianismo, diversas ações de violência tem sido registradas. Visitando o blog do Pr. Renato Vargens, me deparei com esta notícia, que passo a transcrever:

Estudos realizados por diversas instituições têm apontado que atualmente há mais mortes de cristãos do que na época do Império Romano. Uma delas é aEnciclopédia Cristã Mundial afirma que, só em 1998, mais de 156 mil cristãos foram martirizados no mundo. Estima-se que 164 mil foram executados em 1999. Quase 170 mil perderam a vida em 2000 e, em 2005, mais de 200 mil foram mortos. E as projeções para 2010 falam em mais de 240 mil mártires ao redor do mundo.

 
De acordo com a Interpretação Anual do Megacenso Cristão, feita por David B. Barrett e Todd M. Johnson, mais de 70 milhões de cristãos em todo o mundo já foram mortos pela fé que professaram desde Estevão, o primeiro mártir.

Aproximadamente 550 cristãos são assassinados todo dia. Isso equivale a 23 mártires por hora, ou seja, um herói da fé é morto a cada 3 minutos. E os números continuam aumentando.

E nesta lista não estão os milhares que todos os dias são perseguidos, têm seus bens confiscados, são separados da família, aprisionados e torturados e que, apesar de tudo, não chegam a ser mortos por sua fé, apesar de nunca negarem a Cristo.

O vídeo abaixo mostra o assassinado de cristãos na Costa do Marfim, onde de forma cruel crentes em Jesus são queimados vivos. 

Pois é, diante disto, fico a pensar na doutrina das sementes propagadas por Murdock e Malafaia. Fico a pensar na compra de aviões e jatinhos, além é claro da vida nababesca pregada e divulgada pelos profetas das prosperidade no Brasil e na América.

Verdadeiramente os dias são maus. 

Oremos irmãos!

"Apagaram a força do fogo, escaparam do fio da espada, da fraqueza tiraram forças, na batalha se esforçaram, puseram em fuga os exércitos dos estranhos. As mulheres receberam pela ressurreição os seus mortos; uns foram torturados, não aceitando o seu livramento, para alcançarem uma melhor ressurreição; E outros experimentaram escárnios e açoites, e até cadeias e prisões. Foram apedrejados, serrados, tentados, mortos ao fio da espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, desamparados, aflitos e maltratados (dos quais o mundo não era digno), errantes pelos desertos, e montes, e pelas covas e cavernas da terra. E todos estes, tendo tido testemunho pela fé, não alcançaram a promessa, Provendo Deus alguma coisa melhor a nosso respeito, para que eles sem nós não fossem aperfeiçoados." (Hb 11:34-40)
Nota do blogueiro: Ultimamente, tem crescido no Brasil a ideia de que os cristãos são intolerantes com as demais religiões e com determinados grupos e/ou ideologias e movimentos. É verdade que, muitos cristãos, em nome da defesa da fé, tem confundido a afirmação dos valores bíblicos com ataques à pessoa dos discordantes, incluse com manifestações estapafúrdias de preconceito.

O Cristianismo verdadeiro, tal como exposto nas Escrituras do Antigo e Novo Testamento, jamais se propõe a atacar a pessoa de quem quer que seja, por causa de suas crenças ou costumes. Jesus Cristo ensina nas Escrituras que devemos amar a todas as pessoas incondicionalmente. 

No entanto, o fato de amarmos as pessoas, não significa necessariamente que devemos concordar com todas as suas idéias e atitudes. Os cristãos tem o direito, inclusive assegurado pela Constituição Federal, de expor seu pensamento a respeito de qualquer crença, prática ou ideologia. Assim como todos os demais cidadãos também tem o direito de fazer o mesmo a respeito dessas mesmas coisas. 

Assim como todos temos essa liberdade, os marfinenses também têm todo direito de discordar dos cristãos, mas atacar as pessoas com violência extrema não é liberdade de expressão, é crime e pecado contra o Senhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário